Google

Por que deixamos para depois o que podemos fazer hoje?

por

Esta é uma pergunta muito famosa mas que muitas vezes não sabemos na verdade porque deixamos para fazer depois o que podemos fazer hoje!

Não é preguiça, não é defeito da pessoa! Por isso não é algo que mereça que fiquemos nos culpando embora as pessoas se culpem muito por isso. Acabam gerando problemas maiores para si, como auto punições, auto destrutividades, agressividade, baixa auto estima, desmotivação, … muitas vezes rotuladas por estarem deprimidas.

É a procrastinação!

E se este fenômeno da procrastinação for bem compreendido, ao ser usarmos as técnicas de liberação emocional, teremos bons resultados. É preciso compreendermos o que acontece internamente na pessoa que adia o que precisa fazer,  a que eventos de sua vida esta postura está servindo como defesa para sobrevivência.

A postura de dispersar, adiar está conectada a uma angústia que é própria do ser humano – existencial e comum a todos nós: a nossa finitude, o fato de sermos mortais, que nos torna muito sensíveis  a tudo que pode terminar, ter um fim. O fim! Isso nos angústia muito. Isso porque associamos inconscientemente que terminar uma tarefa é como aderir ao nosso destino, que é sempre a morte ou a finitude da vida corporal.

Aceitar o nosso destino como seres que morre, seres finitos, não é algo natural, exige muito trabalho interno, muita maturidade. E exige principalmente a digestão de prováveis perdas, de separações que ocorreram no passado. Assim ficamos liberados para lidar com a angústia de finitude, do término, e desta forma conseguirmos enfrentar nossas tarefas com tranquilidade, sem hesitação para iniciar, sem medo de terminar.

Do contrário, quando não pudemos digerir nossas perdas e separações, ficamos como que fixados naquele momento, envolvidos num pensamento inconsciente de permanência do que já se foi.  E assim comprometemos nossos projetos e nossa missão na vida no momento em que estamos vivendo pois ficamos parados! Deixando para depois!

E o TFT e EFT terão o poder de tornar possível a investigação de quais destas separações e perdas que precisam ser trabalhadas. E, oferece o recurso para que, com o tapping (batidinhas nos meridianos de acupuntura) e a narração ou pensamento destes eventos  em que ocorreram as perdas e separações, se possa digerir, assimilar e superar o que foi inevitável. Neste processo de simbolização das perdas, é preciso estar atento para seus diferentes aspectos e significados ocorridos.

Assim a libertação emocional de algo que guardamos acontece e transforma algo que estava inconsciente nos incomodando e nos estagnando. Surge então a tranquilidade, paz e discernimento para encontrar solucões ou respostas a situações existentes e principalmente a vontade de realizar e viver o que é bom para nós. E que muitas vezes adiamos!

Terapeuta Emocional - TFT Advanced (Optimal Health Voice Technology) e EFT (Emotional Freedom Techniques) - Acupunturas emocionais sem agulhas. Terapeuta emocional, apaixonada por ajudar as pessoas a encontrar mais paz, mais equilíbrio, mais coragem, mais bem-estar em suas vidas!

Deixe seu comentário aqui